Silicone pode ser substituído por preenchedor ativo, que faz tecido se renovar

Conteúdo compartilhado de (Diário da saúde e Bem-estar)
Uma nova tecnologia pode ajudar a melhorar os resultados da restauração de tecidos para pessoas com câncer de mama e outras doenças ou lesões traumáticas.
A equipe do professor Theodore Puls, da Universidade Purdue (EUA), sintetizou um colágeno conformador que funciona como um preenchedor regenerativo de tecidos que é “ativo”, ao contrário dos tradicionais preenchedores de silicone.
Quando aplicado como preenchimento para defeitos e lacunas de tecidos vivos, ele se mostrou promissor para acelerar e melhorar os resultados da restauração dos tecidos.
Quando aplicado às lacunas do tecido mamário, como aquelas associadas à cirurgia conservadora da mama, o preenchimento de tecido regenerativo restaurou a forma e a consistência da mama e deu sustentação à formação de novo tecido mamário ao longo do tempo, incluindo glândulas mamárias, ductos e tecido adiposo.
O preenchimento também ajudou a evitar a contração da ferida e a formação de cicatrizes, que podem ser dolorosas para as pacientes e contribuir para deformidades mamárias.
“Isso ajudaria a manter a qualidade de vida e o bem-estar emocional de milhões de sobreviventes do câncer de mama a cada ano em todo o mundo,” disse a professora Sherry Harbin.
“Essa abordagem também pode beneficiar outras populações de pacientes que precisam de restauração ou reconstrução de tecidos moles, incluindo crianças com defeitos congênitos, indivíduos com úlceras de pele de cura difícil, indivíduos que sofrem de lesões traumáticas e pacientes com câncer que requerem ressecção de tumores em outros tecidos além do peito,” disse Harbin.
—————
Checagem com artigo científico:
Artigo: Regenerative tissue filler for breast conserving surgery and other soft tissue restoration and reconstruction needs
Autores: Theodore J. Puls, Carla S. Fisher, Abigail Cox, Jeannie M. Plantenga, Emma L. McBride, Jennifer L. Anderson, Craig J. Goergen, Melissa Bible, Tracy Moller, Sherry L. Voytik-Harbin
Publicação: Nature Scientific Reports
Vol.: 11, Article number: 2711
DOI: 10.1038/s41598-021-81771-x

Related post